Carta Norte Export

Carta Norte Export

Macapá, 29 de setembro de 2020
Leitura feita por: Ricardo Falcão, presidente do Conselho do Norte Export e do Conselho Nacional de Praticagem (Conapra)
Iniciativa e Realização: Una Marketing de Eventos

É com muita satisfação que recebemos aqui em Macapá durante os dias 28 e 29 de setembro, seja presencialmente ou por meio de participação online, grandes lideranças políticas, empresariais e autoridades. Esses profissionais
de alto gabarito não se limitaram à região Norte, afinal logística integrada é pleonasmo vicioso, como disse em um de nossos paineis o diretor-presidente da Abol e conselheiro nacional do Brasil Export, Cesar Meireles. Fazer logística
de forma fragmentada é conviver com ineficiência. Na cerimônia de abertura realizada ontem, o vice-governador do Amapá, Jaime Domingues Nunes, celebrou a realização do Norte Export como uma iniciativa propícia para “oportunizar” negócios aqui em território amapaense e nos estados vizinhos. Este fórum regional, que faz parte do fórum permanente multissetorial Brasil Export, não se fez de rogado e mobilizou a comunidade logística e portuária, governadores e profissionais ligados ao setor produtivo e ao desenvolvimento sustentável.

Foram dois dias de contribuições importantes, incluindo um “case” internacional de tecnologia em Singapura, que nos possibilitou ampliar a compreensão e as oportunidades que se apresentam para o nosso setor. Os temas debatidos trataram desde infraestrutura e inovação até regulação do setor, passando pelo Consórcio dos Governadores da Amazônia, no qual reunimos 9 governadores e vice-governadores, bem como integrantes da
indústria de óleo e gás.

Dessa forma, é fundamental que o Norte Export seja um grande fomentador de maior “integralização” dos estados membros do Consórcio da Amazônia. Afinal, os estados dependem um dos outros em nossa república federativa.
Por exemplo, caso ocorram problemas de navegação num determinado trecho de hidrovia, plataformas logísticas e terminais portuários de outro estado acabarão sendo prejudicados também.

Organizar os “players” da logística e da infraestrutura para “emitir uma só voz” no sentido de desenvolver e melhor distribuir as riquezas no Brasil também é um dos focos de nossos fóruns regionais e também do Brasil Export
como um todo. Para fazer essa organização funcionar, sugerimos trabalhar no encaminhamento de pleitos indicando soluções, ao invés de somente apresentar problemas, para o qual desde já nos colocamos à disposição.

Com a realização deste fórum buscamos estimular uma visão voltada para a região Norte como fator prioritário de desenvolvimento social com sustentabilidade. Afinal, a Amazônia é uma pérola de nosso planeta e que precisa ser preservada como um patrimônio mundial. É preciso respeitar e honrar o verde e o azul presentes na bandeira nacional, sem ideologias.

O Norte Export se compromete a cobrar do Governo Federal a elaboração, o desenvolvimento e o cumprimento de políticas públicas de Estado e não de governo, no sentido de aperfeiçoar a logística e a preservação das águas e
do meio ambiente.

Além de escoar a produção do agronegócio do Centro-Oeste, a região do Arco Norte tem capacidade para futuramente desenvolver etanol a base de milho e transformar soja em ração animal de grande qualidade, comprovando o potencial de exploração sustentável das riquezas do País, voltada para o desenvolvimento econômico e para a geração de expressivos empregos.

Após desenvolver a proposta de incentivo à navegação de cabotagem, chamada de BR do Mar, o Ministério da Infraestrutura volta-se agora à BR dos Rios. O desenvolvimento do transporte hidroviário é um tema muito afeto
e imprescindível ao fortalecimento dos estados da região Amazônica.

Pelos rios as cargas são transportadas e conectadas às rodovias e ferrovias que formam grandes corredores facilitadores para o escoamento da produção brasileira e também para um melhor e menos custoso abastecimento interno. É importante que o novo projeto de lei “BR dos RIOS”, após exaustiva discussão com os “players” do tema, tramite sem caráter de urgência no Congresso Nacional, para possibilitar a discussão em todas as comissões
temáticas.

Há vários pontos que foram destacados e que vão continuar na pauta para os próximos fóruns. Temos pela frente, no próximo mês de outubro, Sul, Sudeste e Nordeste Export, finalizando a série de regionais em novembro com o Centro-Oeste Export.

De nossa parte, aqui no Norte, fica a sensação de evento cumprido, mas de dever contínuo. Felizes com a integração feita em Macapá, a “Capital do Meio do Mundo”, visando sempre um Brasil competitivo, sólido e mais justo, com
segurança jurídica e normas claras para todos que aqui queiram investir.

Em nome do Conselho do Norte Export, agradecemos a todos que colaboraram para a realização deste primeiro evento híbrido do Brasil Export, deixando uma mensagem de otimismo e de muito trabalho a realizar.

Faça já a sua inscrição para o Norte Export 2020!