Webinar sober inovação realizado pelo Fórum Brasil Export foi tema de matéria no InforChannel

A movimentação do comércio global de mercadorias e insumos provoca uma série de transações complexas com uma quantidade, cada vez maior, de informações. Neste cenário, a adoção do conceito de blockchain está revolucionando o setor de logística em todo o mundo. Isso porque a nova tecnologia permite, por meio de técnicas criptográficas, a agilização e a transparência destas transações comerciais que acontecem todos os dias.

Uma estimativa do World Trade Organization sugere que o investimento na melhoria no processamento de dados e no fluxo de documentos aliados com novas tecnologias podem significar um aumento de 20% no comércio global de suprimentos, que hoje movimenta 18 trilhões de dólares a cada ano.

Para entender como o blockchain pode influenciar uma mudança nos negócios da logística no mundo, o Brasil Hack Export – super maratona tecnológica online voltada para o desenvolvimento de soluções para a cadeia logística portuária no País e parte da programação do Fórum Nacional Brasil Export em 2020 – apresentou nesta segunda (06) um webinar com o tema “Tradelens – como a plataforma Blockchain pode revolucionar a logística mundial” .

A atividade online foi realizada com o Blockchain Services Leader para a América Latina na IBM, Carlos Henrique “Kiko” Duarte, com moderação do Conselheiro do Fórum Brasil Export e diretor-executivo da Associação Brasileira de Terminais e Recintos Alfandegados (ABTRA), Angelino Caputo. O encontro virtual, que foi exclusivo para patrocinadores e conselheiros do Fórum, contou com a participação também do diretor-presidente e CEO da Abol – Associação Brasileira de Operadores Logísticos, Cesar Meireles.

O especialista da IBM explicou que o conceito de blockchain na rede de negócios da cadeia de suprimentos global é capaz de promover a troca mais eficiente e segura de informações. “Cada ator envolvido na cadeia logística possui o próprio registro de dados das transações, o que pode criar problemas de ineficiência na disponibilidade e na vulnerabilidade das informações. O conceito do blockchain promove entre os participantes de uma rede de negócios a transação de ativos baseada em regras pré-estabelecidas por meio de um contrato e registrada em um livro único contábil (ledger) compartilhado. Tudo isso em uma arquitetura tecnológica com validação criptográfica, que é fundamental para a segurança”.

Duarte ainda apresentou para os participantes do webinar a plataforma digital TradeLens, criada em conjunto pela Maersk e IBM, baseada em blockchain. Segundo ele, a plataforma nasceu com a ideia de otimizar o desembaraço de contêineres nos processos de importação e exportação, de forma segura, direta e simplificada, permitindo a colaboração entre parceiros comerciais em tempo real e ‘digitizando’, ou seja transformando em digital, os fluxos de documentação comercial.

“O sistema reúne hoje mais de 50 portos e terminais de diferentes países da América Latina. No Brasil, a plataforma está inserida em três terminais: nos portos de Pecém (Ceará), Itajaí (Santa Catarina) e Santos (São Paulo)”, afirmou o especialista da IBM.

A plataforma TradeLens incentiva a inovação, uma vez que possibilita a integração de outras tecnologias de terceiros e dos próprios participantes da rede de negócios, como a Internet das Coisas (IoT)), soluções de Big Data e de Inteligência Artificial. “Por exemplo, em um teste no transporte de rosas foi possível, por meio de soluções IoT, a implantação de cadeados eletrônicos, GPS e controle de temperatura nos contêineres, registrados e acompanhados em tempo real pela plataforma”, disse Duarte.

Para ele, a matemática do blockchain é simples: “mais eficiência implica no aumento da quantidade de transações em si na rede de negócios porque a tendência é que menos complexidade é igual a fazer mais e melhor”.

A Abol – Associação Brasileira dos Operadores Logísticos, sociedade civil sem fins lucrativos, tem o objetivo de reconhecer, regulamentar e consolidar a atividade do Operador Logístico no Brasil. A empresa elabora projetos e estudos em vários cenários, resgatando o contexto histórico, cotejando-o com o presente e as tendências do futuro. Atualmente, a associação é composta por 29 Operadores Logísticos, entre empresas nacionais e estrangeiras, que atuam nas mais diversas cadeias produtivas, abrangendo atividades de transportes em qualquer modal, a movimentação de carga, armazenagem, gestão de estoque, expedição, e distribuição de cargas em todo o território nacional.

Leia a matéria na íntegra: https://inforchannel.com.br/como-o-blockchain-deve-revolucionar-a-logistica-no-mundo/