Parte da programação do Norte Export, Porto de Santana passa a receber navios panamax e ocupa posição estratégica no Arco Norte

Por Bruno Merlin

Agendado para os próximos dias 28 e 29 de setembro em Macapá (AP), o fórum regional Norte Export será realizado em modo híbrido, com quantidade limitada de participantes presencialmente e grande participação online de palestrantes, convidados e público em geral. No primeiro dia do evento será realizada uma visita técnica de autoridades e lideranças do setor ao Porto de Santana, organizada de acordo com todas as exigências sanitárias e de higiente. A visita não poderia ser feita em melhor hora, já que no último dia 30 de agosto o porto amapaense recebeu pela primeira vez um navio panamax, ampliando significativamente a quantidade de cargas que podem ser operadas por embarcação. De acordo com informações do Conselho Nacional de Praticagem (Conapra), o ganho de escala será de 33%.

Em uma das recentes atividades online promovidas pelo Brasil Export, o presidente Glauco Cei, também Conselheiro do Norte Export, destacou as vantagens competitivas do Porto de Santana e indicou a possibilidade de baratear os custos logísticos nas exportações da produção do agronegócio do Centro-Oeste. “Só 30% dos produtos do agronegócio são exportados a partir da Hidrovia do Amazonas. Ao invés de nós [da região Norte] brigarmos, temos que nos unir para trazer essa carga”, observou, acrescentando que o escoamento da produção pelos portos do Arco Norte irá proporcionar benefícios para toda a sociedade brasileira. A recente pavimentação da BR-163, que por muitos anos foi cenário de atoleiros em períodos chuvosos, auxilia na melhor logística do transporte das mercadorias até o porto amapaense.

Em relação ao estado do Amapá, o acréscimo na movimentação de grãos pelo Porto de Santana promete atrair novos investidores. Além de aperfeiçoar as condições de tráfego, é necessário investir ainda em distribuição de energia, qualificação de mão de obra e em iniciativas que promovam maior desenvolvimento social aos habitantes da região.

O estado do Amapá conta com localização geográfica privilegiada em relação a grandes mercados consumidores mundiais como os Estados Unidos e o oeste da Europa, além do Canal do Panamá, que permite ligação mais eficiente do Norte brasileiro com a Ásia.