Soja e milho, desafios para a região Centro-Oeste

Lucas Beber, Diretor- Administrativo da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado do Mato Grosso e Delegado da Associação dos Produtores de Soja do Brasil, também integrante do Comitê Orientador do Fórum Regional Centro-Oeste Export, traz sua visão sobre o momento atual para os setores em que atua.

Segundo ele, no Mato Grosso, em que a soja e o milho são produtos fortes na economia regional, há dois cenários: “Para a soja a expectativa é boa, porque a demanda chinesa continua aquecida. Se não tiver paralisação do transporte rodoviário ficaremos tranquilos, e até agora, pelo menos aqui no Estado, está normal. Tivemos problemas pontuais com entregas no fim da safra em alguns municípios, os produtores não estavam conseguindo entregar por conta das restrições por parte das prefeituras municipais. A Aprosoja conseguiu fazer com que os prefeitos entendessem para liberar a entrega da safra. As exportações continuam normais”.

Já o milho é mais preocupante, a demanda de etanol caiu muito: “Ocorreu também a queda da cotação do barril do petróleo há alguns dias, mesmo depois de voltar subir a cotação, o preço da gasolina está mais vantajoso na maioria dos estados em relação ao etanol. Com o isolamento também a demanda por etanol e combustíveis em geral, diminuiu. Estamos preocupados porque nos Estados Unidos há indústrias de etanol de milho parando. Aqui no Mato Grosso o que as empresas compraram vão honrar com o produtor, não há perigo de não honrar o contrato, porém agora as usinas de etanol de milho deram uma freada nas compras do cereal”

Lucas, que é Bacharel em Direito e produtor rural de soja e milho no município de Nova Mutum, em Mato Grosso, comenta, ainda, que não há uma expectativa, há uma incógnita: “Não sabemos se vai melhorar ou não.  E ainda tem o problema que afeta as usinas de cana aqui no Brasil. A demanda de milho por parte das Usinas de etanol é a nossa esperança de preços melhores. Devido ao fator logístico, nós aqui no Mato Grosso temos a desvantagem de lidar com o preço do milho, por conta do transporte para levar o cereal até os portos, as usinas de etanol ajudam muito na agregação do preço no mercado interno. Em 2020 o produtor travou custos dos insumos com preços bons, mas não sabemos ainda como será a safra 2021”.