Natália Marcassa participa de live do Conselho Feminino e explica que o PNL 2035 é um instrumento de decisões para melhor equilíbrio da matriz de transportes

por Bruno Merlin

Em fase de audiência pública até o dia 30 de abril, o Plano Nacional de Logística (PNL) 2035 está despertando muita atenção no universo da infraestrutura e foi tema da primeira live promovida pelo Conselho Feminino do Brasil Export em 2021, com a participação especial de Natália Marcassa, secretária de Fomento, Planejamento e Parcerias do Ministério da Infraestrutura. O Plano está disponível na plataforma digital Participa + Brasil e busca identificar as necessidades e oportunidades de oferta de capacidade dos subsistemas de transporte no País. “O Plano é um processo, não é um caderno de obras. É um instrumento de decisão produzido a partir de diagnósticos”, explicou Natália.

Assista ao vídeo na íntegra com a moderação de Mayhara Chaves, presidente do Conselho Feminino, da ABEPH e diretora-presidente da Companhia Docas do Ceará

O trabalho de planejamento realizado pelo Governo Federal tem como premissas a integração inteligente dos modais e um balanceamento mais adequado da matriz de transporte do Brasil, hoje excessivamente concentrada no modal rodoviário. “Nós tínhamos dois grandes objetivos com o Plano: não podíamos ter um Plano que não fosse integrado e levarmos em conta o transporte de cargas e também de pessoas”, disse a secretária. Ela ressaltou que o texto servirá como referencial para a produção dos planos setoriais (terrestre, portuário, hidroviário e aeroviário). A atualização do Plano será feita a cada 4 anos.

De acordo com Natália, em 2035 a participação do transporte ferroviário poderá ser até 36% maior e o hidroviário registrar crescimento de 80 a 300%. O desequilíbrio da matriz é tão alto, observou, que “qualquer coisa que a gente fizer nesse sentido vai dar muito resultado”.

A secretária valorizou o esforço dos profissionais da Empresa de Planejamento e Logística (EPL) no trabalho desenvolvido e acrescentou que o Plano mensura também as rotas pelas quais são movimentados produtos de maior valor agregado, possibilitando a análise de onde investir para gerar mais desenvolvimento, emprego e renda para a população brasileira.

Natália convidou os conselheiros do Brasil Export a acompanhar o trâmite do PNL 2035, mobilizar o setor produtivo e dar feedback para aperfeiçoar o Plano. Ela também disse estar muito feliz em participar da atividade do Conselho Feminino do Fórum. “Faço questão de abrir agenda para fóruns femininos. É muito importante ter representatividade, principalmente na infraestrutura que é um setor tradicionalmente de maior presença masculina”.